[Verso 1] Noite de insónia Pesadelos, paranóia Toca o relógio, acordo p’ra fingir que ‘tou bem Do primeiro beijo ao frio de Santa Apolónia À espera do comboio foram braços de mãe [Verso 2] É tenra a cabeça, cada vez mais esperta Sem coisas de rapazes a que nunca...